Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por cá...

Por cá...

Perspectivas...

Hoje logo cedo li na capa de um jornal que uma Orca havia matado a treinadora. É grave pois claro, mas isso não faz do bichinho uma má pessoa (?)..

Ontem por exemplo, fui à aula de aeróbica e também tive uma enorme vontade de matar a treinadora.... e asseguro-vos que não sou má pessoa!

 

 

 

... nem uma baleia, só para que conste!

 

 

Expliquem-me uma coisa...

... mas como se eu fosse mesmo muito burra! Mesmo mesmo muito!

 

Qual é a graça da Musica 'I gotta feeling' dos Black Eyed Peas?

E da 'I want to live in Ibiza' que toca na rádio durante todo o dia consecutivamente em qualquer que seja a estação de rádio que eu ouça?

E já agora, daquela que toca desde o Verão passado e que já me faz arrancar cabelo, When love takes over (que passa na rádio ainda mais vezes que a anterior)?

E do novo Samsung Diva?

 

 

 

Muito agradecida!

 

 

 

That's me

Há 12 anos atrás, quando a minha mãe morreu eu não chorei. Tinha 11 anos e não chorei no funeral, e nem nos dias que se passaram. Quando chorava, fazía-o apenas escondida e muito baixinho para que ninguém soubesse. Nem o meu pai. Ninguém.

Disseram-me para não o fazer. Não chores que a mãe quer que sejas forte. Não chores que já és uma menina grande e a mãe não ia querer que chorasses. Faz isso por ela.

Também deixei de brincar. Tinha que ajudar o Pai e a Avó. Tinha que fazer os trabalhos de casa e depois tinha que ajudar os outros. Disseram-me que eu não podia ser como os outros meninos, mas para não ficar triste por isso, porque senão o pai também ficava triste. E a mãe também que me via lá do céu. E eu não ia querer que a mãe ficasse triste!

E então, eu cresci a engolir as lágrimas, fui conduzindo a minha vida por aquilo que me ensinavam, moldei-me pela educação que tive... se foi certa ou errada, não interessa agora. Cresci a pensar nos outros, com a ideia de que era assim que tinha que ser - nunca questionei estas regras. Aos 11 anos não questionamos a edcação que temos. E depois de uma perda, de um luto, muito menos. Queremos é que o tempo passe, e eu fui fazendo que me diziam. Engolia lágrimas, escondia brinquedos, lavava a loiça e aspirava o chão. Fazia o que avó mandava, o que o pai pedia... apenas isso!

Se hoje sou a pessoa que sou, se sou determinada e tenho a personalidade forte que tenho e se defendo as minhas ideias e as minhas convicções com garra, foi porque também fui muito solitária e por isso, fui-me apercebendo que sozinha, sem a ajuda de ninguém, sem lições e conselhos pseudo-sábios que conseguia chegar onde queria, fui-me cimentando... Mas nunca deixei de me colocar no lugar dos outros. Nunca deixei de pensar como seria se eu estivesse do outro lado.

Alguns chamam a isto compreensão, eu acho que é apenas uma parte da minha personalidade, quando o faço, não é na tentativa de compreender alguém, mas sim, na tentativa de ser justa. Tanto comigo mesma, como com os outros. Lá está: penso nos outros!

Por isso dizerem-me agora para pensar apenas em mim, para esquecer e deixar a sorte (para quem, ao contrário de mim acredita nela) fazer o seu trabalho, é a mesma coisa que me dizerem: Esquece tudo o que te ensinamos, esquece quem és e sê outra pessoa!

E quem me conhece, sabe que isso eu não sei fazer. Não que não queira... apenas não sei mesmo!

...

Minha gente, a todos os que passaram cá hoje,ontem e noutros dias já passados; aos que não passaram, aos que gostaram, aos que gostaram assim-assim e aos que nem por isso; aos que me deixaram comentários e aos que se foram sem dizer nada; ao Sapo e a toda a equipa, o meu Muito Obrigada! O prazer foi (e é) meu!

 

E um bom fim de semana...

 

 

O primeiro beijo

A propósito do post anterior, a colega blogueira (?) Tsuripa desafiou-me a desafiar (que lindo!) a malta que aparece aqui no estaminé a contar o seu primeiro beijo...

E eu que não sou cuscuvilheira, mas sou uma romântica pirosa de primeira achei a ideia girissima! Vai daí, considerem o desafio lançado e toca a despejar tudo na caixa de comentários...

O meu foi um beijo seguro, não tivesse acontecido em frente ao posto da PSP de Espinho (piadinha fatela vá). Foi no fim de uma tarde de Sábado, estavamos no final do mês de Março e começavam os dias de Primavera. Um colega insistiu em dar-me boleia, na altura não percebi bem a ideia já que para onde eu ia (não era para o posto da Psp estejam descansados) ficava a 2 quarteirões daí. Foi tão insistente que eu acabei por aceitar, e depois, até porque fazíamos parte da mesma corporação de bombeiros e todas as minhas colegas já tinham saído para casa e eu andava sempre sozinha, ao menos tinha companhia, e ele fazía-me rir e até que era giro! Era giro demais até e demasiado popular para se interessar por uma moça simples como eu...

Tinha ido á piscina com uma amiga de manhã onde ele trabalhava (a convite dele e dela) e tinha regressado à boleia com ele, tínhamos passado a tarde juntos numa actividade do corpo de bombeiros e quando ele estacionou o carro para eu sair, cumprimentei-o com um: ''Obrigada pela boleia, xau!'' Ele perguntou-se se eu ia sair assim, sem um beijinho. Engasguei-me e em vez de lhe responder dirigi-me á bochecha do rapaz... ele virou a cara de repente e zumpa! Roubou-me o meu primeiro beijo... :)

Fiquei furiosa é claro... nem tive tempo para me preparar, fiquei sem perceber o porquê dele ter feito aquilo e etc... Eu tinha 17 anos, era uma catraia sem experiência... Comecei a resmungar e dei-lhe o segundo! Ora, como era a minha primeira vez e como eu sabia que ele já tinha experiência, eu não queria passar por trenga e vai daí esmerei-me! Esmerei-me tão a sério que ele entretanto me deu com os pés e ainda hoje não acredita que aquele tenha sido o meu primeiro beijo!

Resumindo: Fui boa demais para ele!

 

Mas o momento foi bonito!

Troco tudo por um beijo...

Troco tudo por um beijo

Mais vale morder o desejo

Que ter toda a fama do mundo

 

Adivinha onde eu cheguei
Desde o tempo em que roubei a tua privacidade
Fiz de ti lírio quebrado
Fera de gesto acossado, vendi a tua ansiedade

 

Porque eu também já troquei muita coisa por um beijo. Um simples beijo. Também já me fiz lirio quebrado, já me desdenhei, e podia ficar aqui a falar desse beijo (ou desses beijos) durante muito tempo... e apesar das lágrimas que chorei de seguida, valeu tudo a pena! Só por um beijo...

 

 

 

 

 

Bad Music é o que é...

Vi ontem, sem querer o videoclip da Lady Gaga e ouvi a musica Bad Romance...

A sério... c'a merda é aquela?

Aquilo nem chega a ser azeiteiro de tão mau que é... e quando eu penso que a menina já não pode descer mais, ela trata de cavar mais fundo!

Fiquei com os olhos e os ouvidos mutilados tamanha foi a violência!

 

 

 

Mas quem é que compra aquilo? A sério... Apedrejem-me agora sim? Assim com'ássim já tive pesadelos a noite toda e já... além de que as pedrinhas ainda devem ser mais suportáveis do que aquilo!

Pág. 1/3