Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por cá...

Por cá...

Inicios...

Muitas vezes pensamos que as coisas vão mudar. Mais dia menos dia, as pessoas que amamos vão perceber que nos magoam, que estão erradas e vão mudar!

E tristemente chegamos à conclusão que isso não acontece.

E só nos resta entregar os pontos. Baixar os braços e darmos a batalha como perdida! Porque já fizemos tudo o que havia para fazer, demos tudo o que tínhamos para dar, falamos o que havia para falar... e choramos o que havia para chorar! Não sobra nada a não ser o carinho e é em noma desse carinho que damos tréguas. Para o preservarmos. Para que ele não acabe.

Desistir do amor apenas se torna flagrante, obsceno, desprovido de sentido quando ele não desistiu de nós, quando ele ainda existe. E no meu caso... ele desistiu mesmo! Desvanesceu-se mesmo contra a minha vontade, contra as minhas lutas, contra mim.

 

 

Maioria das respostas: E

 Logo, I'm a sexy girl :)

 

 

Maioria E - Sensual

Esta mulher vive num mundo próprio, cheio de segredos e mistérios que despertam o olhar dos admiradores. Especiarias como a pimenta e o cravo ressaltam ainda mais a sensualidade com essências que lembram o exotismo do Oriente.  

Os melhores perfumes O Boticário: Egeo, Egeo Dolce e Royalty

 

 

Podem entregar na morada do costume sim?

Agradecida!

 

Estagnação

E depois chega aquela altura em que já não nos importamos.

Não nos importa o facto de termos tido uma discussão há 2 minutos atrás, nem o facto de ela ter ficado mal resolvida, nem coisa nenhuma!

Não nos importa que passe um dia sem nos vermos.

Não queremos mais saber a duração dos abraços, o número de beijos que se deu, as palavras que se disse, as promessas que se fizeram.

Não nos importamos mais com as rotinas, com os dias repetidos, com os telefonemas não atendidos...

 

Os dias passam-se e eu sigo ao sabor da corrente. Não quero ouvir ninguém, falar com ninguém. Os ombros estão cansados de suportar a dor alheia. A minha dor é engavetada todos os dias. Calada todas as noites, abafada pelo som da tv. Os caminhos percorridos são decorados por força da rotina diária. E eu já não me importo.

 

 

 

Liberdade

No dia 24 de Abril de 1974, cinco minutos antes das 23h e por intermédio de João Paulo Dinis, os Emissores Associados de Lisboa emitiam o tema ''E depois do Adeus'' de Paulo de Carvalho. Este era o mote, a primeira senha para os militares de Abril.

Passada  uma hora de trinta minutos, a Rádio Renascença emitia a segunda senha musical, aquela que ditava que estava em curso a revolução de 25 de Abril: ''Grandola Vila Morena'' de Zeca Afonso!

Aqui, um grupo de sonhadores e idealistas, como aqueles que hoje fazem falta, sonharam com Liberdade!

Deram-nos uma Liberdade que hoje nos passa despercebida. Como diz o meu pai: Há 36 anos, não podias sair sozinha à noite. Nem podias parar para conversar com ninguém na rua. Ou mesmo beber uma simples coca cola. Nem sequer havia à venda!

Hoje podemos rir do Sócrates, podemos fazer piadas, podemos ouvir a musica que quisermos, ler os livros que quisermos...

 

Mas a Liberdade sonhada e pela qual muitos arriscaram mais do que imaginamos, ainda não está conquistada... mesmo 36 anos depois de se ouvir na rádio a voz de Zeca Afonso. Vivemos amedrontados e ameaçados com o desemprego, com o custo de vida elevado, os impostos que pagamos e que mesmo assim não garantem a maior parte das vezes uma resposta minimamente satisfatória dos nossos serviços publicos... O problema é que hoje em dia, o 25 de Abril é apenas mais um feriado... e ontem nem isso foi, já que era domingo. Ninguém ficou em casa, ninguém trabalhou menos um dia. Acham que o que havia para fazer, foi feito à 36 anos atrás. O meu pai diz que foi apenas o inicio: ''Deram-nos a cana Angela, mas ninguém quer pescar mais!''

E eu que não percebo nada de política, colecciono recordações de gente que viveu antes da revolução dos cravos. De gente que ainda sonha que o que falta para fazer irá ser feito. E eu sonho com elas. E agradeço a todos aqueles que sonharam e tornaram a revolução de Abril possível. E todos, todos os 25 de Abril, revejo um dos meus filmes preferidos e ouço Zeca Afonso.

E é por esses ideais e pela Liberdade que o povo deste país um dia, há 36 anos atrás, sonhou que podia ser possível que eu estou com eles!

 

 

 

 

 

...

Pois que para quem não reparou, as férias já lá vão!

Foram boas sim sr., obrigadinha por perguntarem!

Passeei, li (o livro novo do Manuel Alegre), ouvi musica em casa, coisa que já não fazia há imenso tempo porque fui cingindo os meus cd's ao rádio do carro! Fiz compras, saí para almoçar com gente de quem gosto, gente que conheci e que comecei a gostar, tomei café com amigos, ainda houve jantarinhos bons com malta boa e muito descanso!

 

E, agora de volta, reparo que toda a gente fala no anuncio da Sumol.

Pois que o anuncio é muito bom sim sra!

Adorei (coisa rara na publicidade de hoje).

 

Mas acho muito mais interessante o anuncio na Magnum!

Comer gelados com o Benicio del Toro, deve ter mais piada do que beber sumol com um adolescente cheio de acne! Isto, digo eu... não sei!

 

 

 

 

 

Pág. 1/2