Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por cá...

Por cá...

E por falar em futilidades...

... contem-me aqui uma coisa... ou duas pronto:

 

 - Como é que fazem para o cabelo e a maquilhagem se segurar o dia todo?

 

É que eu saio de casa toda pipi e chego ao fim do dia (da manhã para ser honesta) com a maquilhagem borrada, e o cabelo, depois de tanto trabalho a pentear feito numa jubazinha.Confesso que não é uma juba muito grande, mas incomoda-me na mesma.

Uso a base de longa duração 'Infalible 16h' da Loreal. Pó compacto translucido por cima e rímel. Pouca coisa que mesmo assim resulta numa valente caca poucas horas depois. Isto não foi sempre assim. Já ouve tempo em que a coisa durava mais tempo e eu sinceramente não sei o que estou a fazer diferente. Isto não me incomodaria se eu não chegasse ao fim da manhã com a cara às manchas e a parecer uma girafa. Ou então que padeço mal do fígado sei lá...

Damn...

''Tenho em mim todos os sonhos do mundo''*

Morreu Fernando Pessoa há 75 anos.

Uma vez, quando eu estava mesmo muito triste na escola, um professor que ainda hoje admiro muito, citou Fernando Pessoa:

 

''Ás vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido'' - Lembro-me disto imensas vezes, quando acho que já nada vale a pena, quando me sinto triste ou desmotivada. E acho que devo ao poeta cada novo folêgo que dou nestas alturas.  

 

" Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço que a minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não". É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta. Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."

 

Lembro-me disto imensas vezes, quando acho que já nada vale a pena, quando me sinto triste ou dsmotivada. E acho que devo ao poeta cada novo folêgo que dou nestas alturas. Por isso acho que a data deveria ser lembrada.

 

*Fernando Pessoa

Diários de uma quase moribunda

Olhem estive e estou doente, por isso a falta de posts.

3 semanas minha gente, 3 semanas em que parecia um zombie (daqueles mesmo foleiros, à laia dos que aparecem no Thriller do Michael Jackson). Era nariz entupido, dores de cabeça, febre, calafrios... Era brufen e ben-u-ron de 8 em 8 horas, Xyzal, nazex, rhinomer, liquidos quentes e nada... nadica de nada... 1 semana e meia depois lá me lembrei de que talvez aquilo não fosse normal (Dahhh), disse ao Boss e vim para casa descansar e fiz uma visita à Sô Dôtora. Pois toma lá com antibótico e mais um corticóide (nebulizador local que era para potenciar o efeito) e vamos de trocar o nasex pelo vibrocil (epá, fiquei um ás nesta coisa de decorar nomes de medicamentos), isto tudo a juntar aos que já tomava anteriormente. Uma semana depois e a coisa mantem-se. As noitas eram uma tortura. Doíam-me as costas, o peito, a cabeça, enfim... o corpinho todo. Dormir que era bom, nada! E o meu ar branco (acizentado não enganava...); quando me começou a doer a cara (????) é que eu me lembrei de que talvez, sei lá, fosse melhor ir ao médico de novo, não sei. Infecção respiratória foi a minha sentença. Toma lá com 3 dias de baixa (mais o receio de mos descontarem do ordenado - coisa que não aconteceu porque os bosses são 'tha best'), mais um antibiótico. A boca e o nariz estavam literalmente desfeitos de tanto me assoar (valeu-me o halibut e os bálsamos labiais que comprei aos montes), não conseguia respirar, a comida não tinha sabor, não conseguia falar...

 

E as mezinhas caseiras?!:Ui, era xarope de limão, leite quente com mel e canela (a canela fui eu que quis porque sou gulosa), compressas e vapores de eucalipto, óleos essenciais de menta... valia tudo!

 

Agora estou um bocadinho melhor obrigadinha.

E os 60€ gastos na farmácia?! (NOT). Ma-Ra-Vi-Lha.

 

Da próxima vez, mandem-me logo para abate sim? Sofro menos.

Pessoas que me mandam emails...

áhlaber...

 

Chega de emails sobre os arrozais do japão sim?

Eu já vi que aquilo é muito bonito e tal, mas cumassim, prefiro as amendoeiras em flor... e ao vivo.

 

E chega de mails sobre criancinhas com doenças raras a precisar de ajuda sim? É que por mais provas que me dêm que aquela cabeça gigante ou a asa de frango que se vê na foto é verdadeira, eu não consigo acreditar.

É verdade, sou uma insensível eu sei.

 

E chega de mails em power point a falar sobre Deus e essas maravilhas todas que é a vida, porque para isso, eu não teria desistido da catequese no dia a seguir à minha 1º comunhão. Ainda hoje rogo pragas à p*ta da catequista. Além de que eu sempre ouvi dizer que não devemos invocar o santo nome do Pai em vão... por isso.

 

E nada de agouros já agora.

''Ah e tal e se não enviares isto morres, mas, caso contrário, se enviares isto a 2454841 pessoas nos próximos 30 segundos ganhas o óuromilhões e tens 320 anos de sorte e quem tu amas vai fazer-te uma serenata ao luar e o carai... a sete''! Pois! Fiquem sabendo que nem que me garantissem que eu ficava viciada a comprar discos do Demis Roussos, eu perdia tempo com essa merda!

 

Combinados?

Agora anedotas e cenas giras e a falar mal do Socrates podem enviar que a menina gosta e lê e até reencaminha. Encaro isto como serviço publico!

Dream before Christmas

 

Começo, aos pouquinhos a sentir o espirito natalício.

Os enfeites, a ansiedade, começo a pensar nos presentes, em como isto ou aquilo faria as delícias desta ou daquela pessoa...

Já pensei em algumas decorações de Natal lá para casa, já imaginei a ceia, as grávidas lá da familia, as conversas... Eu sempre o disse, em todos Natais pelos quais este blog passou, que adoro o Natal. Mesmo.

Ao contrário do que dizem, eu não vejo esta época como sendo uma época de hipocrisia ou consumismo. Vejo-a como uma época de amor, de solidariedade, de reconciliação, de alegria.

Falo por mim... adoro oferecer presentes e a verdade é que Natal sem presentes não faz muito sentido para mim. Eu sei que nem toda a gente pode presentear toda a gente, mas aquilo que se dá não importa; o que importa mesmo é aquele gesto: ''Lembrei-me de ti, feliz natal!''. E quando compro presentes, não é o meu espírito consumista a falar, nem a necessidade hipócrita de dar alguma coisa. Nunca dei presente algum por obrigação... é mesmo a vontade de olhar nos olhos dos meus amigos, desejar-lhes um sincero feliz natal e presentea-los de alguma forma.

Já tenho alguns presentes encomendados. Rendi-me ás mãos mágicas de quem sabe e praticamente tudo o que vai ser oferecido, vai ser artesanal e personalizado. A prenda do meu pai, terá a ''marca dele'', a da minha irmã um símbolo que ela adora, a da Tita será original e virá de uma private joke entre nós duas (estou mortinha por ver a cara dela quando abrir o embrulho, hehehehe). Procurei na internet ideias originais para embrulhos e já estou a prever um serão, a embrulhar aquelas lembrancinhas, a escrever nos postais, a fazer laços e etiquetas... :) E garanto-vos que são tudo coisas simples e baratinhas, que eu própria não gosto de grandes ostentações. E isto minha gente, não é hipocrisia, não me venham com tretas.

A árvore será grande, no ano passado fiz e refiz a minha dezenas de vezes por causa dos gatos. Eram dois na altura, este ano tenho 3, já estou a ver a paródia. Este ano, se preciso for, vou faze-la e refaze-la, e brincar com eles mais vezes ainda...

E depois os passeios nas ruas iluminadas da cidade, o cheirinho a canela nas confeitarias, os sons de Natal que saem das lojas, as mãos dadas, os abraços e os 'Feliz Natal' desejados a quem passa... Como se as pessoas se unissem todas naquela quadra e se tornassem mais próximas, o mundo fica mais unido. E isto é hipocrisia? Não me parece. Eu quando desejo 'Feliz Natal' a alguém, faço-o porque quero e porque o sinto.

 

Drama de gaja

Eu queria muito um produto do catálogo Oriflame que vi online. O problema é que eu não sei de ninguém perto de mim que venda a marca. Era um bálsamo labial que me pareceu assim 'qualquer coisa'.

 

 

E pronto, era só...  

O mal será meu?!

Sou só eu que morro de frio?

É que eu tremo que nem uma vara verde, tenho os pés gelados e por isso ligo um pouquinho o ar condicionado. E TODA A GENTE, mas TODA mesmo reclama que está um calor infernal aqui dentro do escritório. E que mal se respira por causa do ar quente blá blá blá... e eu, encolhida e a pensar em cobertores e botijas de água quente, fico a pensar se tenho algum problema grave ou assim...

 

 

Pág. 1/4