Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por cá...

Por cá...

Coisas da Blogosfera:

Dia 1: ''Oh, estou farta de sol, já me irrita este calor fora de época... queria tanto uma chuvinha e frio para poder comer castanhas e usar as minhas galochas hiper féxion da marca XPTO...''

 

Dia 2 cai um diluvio: ''Oh já estou farta de chuva, hoje até tive de vir de galochas e tudo... Oh S. Pedro, assim não há direito, não pode ser pá!''

 

Uma pergunta: É de mim, ou o Alzheimer instalou-se na blogosfera? Oh gente, decidam-se lá sim? Depois o S. Pedro fica confuso e voces queixam-se que o tempo anda incerto!

...

Nestes ultimos dois dias o trabalho tem sido crescente.

Enfio-lhe a cabeça como se de uma avestruz se tratasse e sigo os meus dias...

Dias que não têm sido fáceis de todo. Dias que acordam com o horizonte cada vez mais longe e os objectivos que havíamos traçado acompanham esse distanciamento.

Dias em que tudo nos dói. Em que não deixamos que ninguém nos toque, quer por desconfiança de vir aí mais uma desilusão, quer pela incerteza se a aguentaríamos ou então é porque até a pele já nos dói também.

 

Dias em que as perdas que tivemos sobem à tona e ficam ali, a cutucar em feridas que achavamos cicatrizadas, mas que voltam a sangrar mais e mais, e a vontade de pegar no telefone e dizer todo o desapontamento e toda a mágoa que provocaste é grande.

Pegar no carro e rumar até ti também, que me magoaste de forma crua, que me deixaste com culpas que não eram minhas ao ponto de eu chegar a duvidar de mim mesma, tu que fizeste de mim uma pessoa cheia de medos que eu não tinha... dizer-te tudo isto e ainda apontar-te todas as feridas com que me deixaste...

 

E depois, a indignação e a frustração são maiores ainda quando percebemos que nada disto valeria a pena. Já me desapontaram, e os gestos tidos e as palavras ditas não voltam atrás e as feridas já cá estão... mesmo que o perdão vos chegue aí, a mim a cura da mágoa e a cicatriz das feridas já não desaparecem mais.

...

Ontem enquanto via o jogo do meu FCP pareceu-me ver correr por lá um canário carocha [ou canário poupa alemão]. Primeiro estranhei, só depois é que percebi que não era nada daquilo. Era só o Hulk.

O meu coração sangrou pronto!

 

 

 

Inspira-me

O Sapo pergunta se sinto falta da chuva e do frio, ou se ainda podem esperar mais um bocadinho.

Eu respondo:

Ora depende: Não me importo nada, nadinha que chova. Mas durante a noite pode ser? Evito andar com os pés molhados e o cabelo ensopado e as hortas são regadas na mesma, assim os preços das hortaliças já não aumentam por esse motivo [aumentam por outro qualquer].

Em relação ao frio é que eu dispensava. Sim, eu também gosto de castanhas assadas, de lareiras e mantinhas. Mas na casa onde ainda moro [porque em breve falo-vos do meu mais recente projecto [ou loucura vá] - Angela's home-sweet-home'] não há lareira e eu não posso usar a mantinha no trabalho, que é só o local onde passo a maior parte dos meus dias. Já as castanhas eu como de qualquer forma, portanto...

Além de que o frio causa-me dores no corpinho.

Para ajudar, quando as temperaturas ambientais baixam, eu sou obrigada a enroscar-me em cobertores e edredons quentinhos, o que dificulta muito a terefa de me levantar de manhã, o que faz com que me levante ainda mais mal disposta e rabujenta... a atrasada vá. ''Ah e tal, tou tão bem aqui e vou agora levantar-me para ir lá para fora apanhar frio e chuva e o camandro...'' ? Ou seja: os dias nunca começam bem.

 

Resumindo: Não, não tenho grande vontade que chova ou faça frio e coiso e tal...

 

By the way: O mundo não ia acabar hoje às 15h? Já passam 23 minutos. Ou era às 15h de um fuso horário qualquer que não o nosso? Hummm?

 

...

Se há coisa para a qual não tenho, nem nunca tive paciência foi para a vitimização. Para os paninhos quentes, muito menos em situações em que do outro lado não há ponta de razão... há apenas uma pele de cordeiro em cima de um lobo.

 

E a outra coisa para a qual tenho ainda menos paciência/ compreensão/ calma ou whatever, são os motivos pelos quais esses paninhos quentes são colocados nas mais diversas situações.  Pois que se deve desculpar o indesculpavel em nome de laços familiares que parece que são unilaterais. Sim, eu devo desculpar fulano porque afinal de contas, ele é meu pai/ padrinho/ irmão/ tio/ sobrinho/ avô (escolham).

 

E eu agora deixo a pergunta: Fulano também não me deveria poupar/ respeitar e ajudar um bocadinho, afinal de contas, eu sou sua filha/ afilhada/ irmã/ sobrinha/ tia/ neta (escolham)???

 

Epá, a sério, lá diz aqui o vizinho reformado que costuma estar na padaria: ''Pimenta no c* dos outros, para mim é refresco!''

 

 

Good Morning Monday e o camandro

Na passada sexta-feira tinha elaborado a minha To Do List para o fim de semana, à laia do que se vê por aí em mestres zen das lides quotidianas... É que, mais do que nunca, eu preciso de organização para ver se me entendo e se os entendo.

 

Lavar e secar roupa

cortar o pulso direito
ir ao supermercado
espetar um garfo no olho esquerdo
por gasolina no carro
cortar o outro pulso
limpar a casa

arrancar o cabelo com uma pinça
beber para esquecer
Cozinhar

lavar o chão

espetar o outro garfo no outro olho

 

Cheguei às 14h de sábado a pensar que, se tinha superado tudo até ali sem me automutilar, então era invencível e descansei um pouco. Até que cheguei a casa e com o rol de acontecimentos resolvi que o melhor seria mesmo trancar todos os objectos cortantes e relaxar um pouco como se falava aqui. Comecei e passados 2 minutos e um ataque compulsivo de choro, se a flor não fosse de plástico, tinha a trucidado. Mas tentei, juro que tentei.

 

A sério, estou tão confusa, mas tão confusa que viajo entre a incredulidade perante a passividade de alguns, e a raiva. Já não consigo distinguir nada.. já não sei se sou eu que sou uma cabra neurótica com ataques de histeria, ou se até tenho alguma razão no meio disto tudo.

 

É provavel que tenham chegado até aqui sem entender, mas deixem lá... era mesmo só para desabafar.

Boa semana, que eu ainda não sei se isto é um regresso.

 

Até já.

Mentia se dissesse que estou melhor depois do fim de semana. Porque não estou melhor. Na verdade estou até bem pior do que na sexta-feira.

Mentia se dissesse que o fim de semana tinha corrido bem. Porque não correu. De todo.

 

E porque eu não quero que este espaço se transforme no meu muro das lamentações, porque não o quero (ainda mais) deprimente. E porque o assunto é demasiado intimo para ser desabafado aqui, resolvi fazer um interregno.

Por isso tudo e porque estou imprópria, até já

 

Um dia destes volto...