Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Por cá...

Por cá...

Vacaciones!

É só para dizer a todos vocês, meus queridos leitores (sim, tanto a um como ao outro) que após esta tarde de trabalho estou de férias.

Portem-se bem na minha ausência sim? Tentem controlar-se e lembrem-se que as saudades não significam que estamos longe, mas sim que um dia estivemos perto (estou tão poética e delicada hoje!).

 

Beijinhos

:)

Minha gente:

Peguem lá num caderninho e numa caneta e sentem aí um bocadinho enquanto eu explico:

  - Auto-estima e arrogância são coisas diferentes entendem? Uma não implica a outra nem são a mesma coisa! Há é uma linha muito ténue que separa uma da outra. E não, essa linha não tem nada a ver com marcas de tv por cabo!

Boa?!

 

 

A Fiel Jardineira

Com isto da casa nova, lembrei-me que seria giro enfeitar a marquise com umas plantinhas naturais, assim umas flores e coiso. Não posso dizer que não tenha jeito para a jardinagem, até porque nunca tinha experimentado antes. Comecei com uma floreiras com uma das minhas flores preferidas: Tulipas (as outras são as margaridas). Comprei os bolbos, a floreira, fiz os furinhos na dita, comprei um saco de terra apropriada para a coisa, fiz a plantação e reguei com um bocadinho de água! Pronto, era só esperar. Impacientemente.

Impacientemente porque todos os dias ia espreitar a floreira para ver se tinham crescido mais um mm. Ou pelo menos se não tinham morrido. Um certo dia vi que os meus rebentinhos (eram pequeninos) haviam sido atacados por uma praga de bicheza... Oh meu Deus, o que fazer? Eu não tinha previsto uma coisa daquelas e entrei em pânico. O que fazer? O que aplicar ali?

 

 

O desparasitante dos gatos em spray!

 

Assim em quantidades suficientes para eu ter a certeza que não sobrava nenhum e as minhas plantinhas iam ver-se livres de tamanha praga.

Até a terra ficar encharcada portanto!!

{#emotions_dlg.blushed}

Angel's Sweet Home - Update

Tinha planeado iniciar a mudança propriamente dita em finais de Abril para ter a casa habitável no início de Maio. E agora vocês perguntam: ‘’Então Ângela, está quase? E que tal é ter as coisas empacotadas?’’ E eu respondo que não sei, porque além de duas caixas pequenas com alguns dos meus livros, eu não tenho mais NADA  empacotado. Ainda não comecei a arrumar as coisas, ainda nem sequer comecei a limpeza da cozinha e as obras na casa de banho ainda só vão a meio (estou a ser simpática comigo mesma); obrigada por perguntarem, anyway.

Este fim de semana, o mais próximo que estive das mudanças foi na limpeza dos azulejos do chão da sala, na lavagem das panelas e na compra de molas, estendal e uma planta artificial. Uau!!

Resta-me pensar que esta semana nos presenteia com um feriado (que eu adoro pela sua simbologia) que me vai permitir adiantar e muito as coisas que faltam (resto das limpezas e obras), para que, o mais tardar, no próximo fim de semana eu possa começar a pensar na mudança propriamente dita.

Eu vou dando novidades… assim que elas se vejam!

 

 

É só esta semana e mais 2 dias...

... e depois estou de férias.

É só mais esta semana e mais 2 dias e depois estou de férias.

É só mais esta semana e mais 2 dias e depois estou de férias.

É só mais esta semana e mais 2 dias e depois estou de férias.

É só mais esta semana e mais 2 dias e depois estou de férias.

É só mais esta semana e mais 2 dias e depois estou de férias.

É só mais esta semana e mais 2 dias e depois estou de férias.

 

Epá, até queria chorar.

A sério!

Non sense

Recebemos aqui no office uma revista entitulada ''As melhores empresas para trabalhar''. A mesma revista é patrocinada e tem a colaboração de uma empresa de trabalho temporário.

Quando o meu sobrinho, do alto dos seus 15 anos diz que nesta vida nada faz sentido, tem razão. Afinal não era um mero desabafo típico da adolescência.

Stand by

Quando estou em dia não, ou pelo menos quando não estou nos meus melhores dias e alguém repara e comenta, a resposta que mais me sai é: ‘’Estou cansada!’’ No fundo é como os comprimidos LM, serve p’ra tudo! E não deixa de ser verdade na quase totalidade das vezes.

Por exemplo, agora estou cansada de andar cansada. Precisava mesmo de parar para descansar, mas como a altura e as mudanças não ajudam e eu recusei tirar férias nestes dias, a coisa (e o cansaço) vai-se arrastando. E eu também. Eu também me vou arrastando.

Só que às vezes batia (e bate) uma inércia e uma ansiedade no peito que eu nem sabia muito bem definir. Era um misto de medo, cansaço (lá está), incerteza, ansiedade e impotência. Assim tudo junto, num mix poderoso que me tornava o coração tão pesado que chegava a doer.

Ontem, ao olhar para a estante de livros e pensar que daqui a uns dias vou estar a empacota-los, resolvi escolher um para ler (sim, tenho muitos livros por ler) e dei por mim a recusar um ou outro título porque queria lê-los depois, com mais calma na casa nova. E no outro dia, arrumei umas blusas por passar a ferro no fundo da gaveta, porque não fazia sentido estar agora a passa-las para depois amarrotar tudo de novo nas mudanças. Resumindo, talvez estes sentimentos todos (a inércia, a impotência, o cansaço) sejam provocados pelo facto de ter a minha vida em stand by. Agora não vou comprar isto porque ainda me falta aquilo. Agora não vou pôr isto porque primeiro tenho que fazer aquilo, mas também não posso fazer aquilo agora porque não sei quê… E quem me conhece sabe que a paciência e a capacidade de espera não são propriamente qualidades a enumerar na minha pessoa.

Ao menos hoje é sexta, o sábado de amanhã promete sol e um adiantamento razoável nos trabalhos; e consequentemente uma nova visão da situação. Talvez passe as blusas a ferro para usar no domingo. E leve para a cama um bocadinho do Lobo Antunes.

 

 

Pág. 1/2