Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Por cá...

Por cá...

Plágio

Uma música, "Parva que sou", dos Deolinda, acordou Portugal para uma verdade abandonada: o desemprego, a precariedade e os baixos salários da juventude, que se consumam na sua desesperança. Estamos a falar de economia, numa linguagem que finalmente se universaliza porque não é de economistas, nem de sindicalistas, nem de políticos. É a voz de Ana Bacalhau e de centenas de milhares de pessoas através dela.

A letra é poderosa mas só se expandiu desta maneira desenfreada pelo efeito de confirmação, por formar um pedregulho concreto do que era gravilha dispersa. Nenhum movimento pediu a música, mas todos pareciam esperá-la para se identificarem como massa gregária - mas separada do resto do País. Não faltarão agora abutres desta deolindomania, partidos a apropriar-se da causa, ideologias a imporem-se, líderes sonhados revolucionários, agentes, prestamistas, comerciantes, vendedores de t-shirts e canecas estampadas. Antes desse desmancho em "pop music", reconheçamos que medra é esta.

O que está a medrar é erva que já chega aos pescoços de quem não quer ver. O fenómeno nasce no baixo crescimento da economia europeia, num continente que se arrisca a ficar para museu, visitado pelos prósperos americanos, chineses, brasileiros, indianos, russos e outras emergências. Nos países periféricos, pior. Foi em Espanha que se inventou o termo "mileurista", que só por bondade se pode aplicar em Portugal, onde o problema não é ter salários paralisados de mil euros... Há quase 300 mil portugueses entre os 15 e os 34 anos à procura de emprego (nunca foram tantos). Somando-lhes os sobretributados recibos verdes e os contratos a prazo, são centenas de milhares. E mesmo nos empregos a contrato sem termo, a escassez é tão grande que se aceitam salários baixos pela promessa de estabilidade.

O curioso é que, dependendo das áreas, nunca saíram das faculdades alunos tão bem preparados como hoje. O Negócios, por exemplo, é uma redacção muito jovem, essencialmente de jornalistas entre os 20 os 40 anos e está permanentemente a entrevistar finalistas de cursos de economia, gestão e comunicação social: nunca foram tecnicamente tão bem preparados como hoje.

Os melhores têm sempre colocação e alguns (cada vez menos) com bons salários e perspectivas de carreira - na banca de investimento, nas consultoras de gestão ou nas multinacionais, por exemplo. Mas o País não é apenas para os génios. Até porque uns e outros estão a sair de Portugal à procura da não-crise. Quantos têm ou gostariam de ter os filhos em colégios estrangeiros - apenas porque isso é um passaporte?

A tese do livro espanhol dos mileuristas é de que a "nova" geração está a ser sacrificada pela "velha" geração, para manter os seus direitos adquiridos, Estado social e empregos residentes. Mas esse livro foi escrito quando Espanha crescia muito. Em Portugal, o problema é agravado pela falta de crescimento económico durante pelo menos 15 anos (dez dos quais já lá vão), o que não cria oportunidades nem empregos. Temos falta de competitividade, precisamos de exportar e, por isso, baixam-se os salários - mas há maior inimigo da competitividade que esta quantidade alarve de impostos? Somos, ademais, um pais desigual, economicamente mais desigual que o revoltoso Egipto (segundo o Índice de Gini, que mede a assimetria na distribuição de riqueza). Muitos preços são feitos para o quartil superior de rendimentos, fixando um custo de vida, sobretudo nas cidades, demasiado caro para o restante.

É estarrecedor ver esta falta de futuro num País que é liderado... por jovens. Nunca tivemos líderes de partidos, e do Governo, tão novos. Mais: os líderes dos dois maiores partidos são ex-jotas! Só que as jotas tornaram-se fábricas de corrupção moral, viveiros de arenques e de tainhas, à espera da sua vez de ser como os outros, os que já lá estão.

Os Deolinda não estão contra as propinas, não abrem trincheiras, não são sequer panfletários. Isto não é um movimento, é um não-movimento, o que já lhes deu a candura de um não agressor, resgatando dos mesmos que infamemente aniquilaram a "Geração Rasca" a simpatia dos que têm pesos na consciência. Hão-de tentar instrumentalizar isto contra o neoliberalismo ou contra o comunismo, contra a esquerda ou contra a direita, mas é mais puro: é política de há 200 anos, de Rousseau, de Tocqueville, dos vértices libertadores da Revolução Francesa: igualdade, fraternidade, liberdade. Fala-se do Maio de 68, compara-se à espontaneidade do Egipto, confirma-se a força não de um líder, mas das redes sociais. Haverá revolta? Ela será de arame farpado ou de veludo? Ficaremos pela melancolia?

Esta canção é uma carta enviada do futuro. Não é um aviso, é uma súplica. Salve, Deolinda.

Pedro Santos Guerreiro no jornal de negócios

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D